Gamma Dragon – o primeiro playtest

Ontem, por falta de alguns jogadores da minha campanha de Tragoedia, rolou o primeiro playtest de Gamma Dragon. E o jogo foi MUITO divertido!

Os dois jogadores usaram o método padrão de criação de personagens, totalmente aleatório, e obtiveram uma mulher-piranha (cuja jogadora interpretou como mal humorada e de fome insaciável) e um réptil-planta (cujo jogador interpretou como um monstro do pântano de poucas palavras – apesar de seu alto valor de comunicação fazer com que ele seja sempre entendido).

A maioria das mutações obtidas apenas modificou atributos e subatributos. O monstro do pântano também tinha passos leves e vulnerabilidade a frio/gelo, enquanto que a mulher piranha era vulnerável a calor/fogo.

E então começamos o jogo. Os personagens foram acordados de seu descanso por um tumulto em sua tribo. Eles ficaram sabendo, pelo Zé Feioso (personagem que seria considerado, em nosso mundo, um humano normal de beleza acima da média, e que estranhamente possui muitos conhecimentos sobre os Antigos e seu modo de vida), que a Fofinha, filha menor da família dos Fofos (homens-coala muito fofos) estava doente. A mãe da família, a Dona Fofa, pediu que eles ajudassem, e eles não puderam dizer não, porque ela era fofa demais.

O sábio da tribo, Rukhul (um homem velho com cabelos e barba de rúcula), disse a eles que a menina sofre de doença da energia colorida (traduzindo, ela sofre os efeitos da exposição à radiação), e que ele precisaria de uma flor que cresce no topo da montanha ao norte para curá-la. Assim, para lá partiram os dois personagens dos jogadores, acompanhados pelo Zé Feioso (apesar de protestos do sábio, que não acreditava que ele fosse capaz de sair em uma busca).

Saindo da tribo, que fica no topo de uma colina enlameada, os personagens avistaram a descida da colina, cheia de pedras lisas e geométricas, e lá embaixo, uma ruína dos Antigos, cheia de casas altas e quadradas e trilhas elevadas (que o Zé Feioso chamou de “cidade com muitos prédios e viadutos”, embora ninguém tenha entendido) e, além dela, a montanha. A mulher piranha escorregou e quase morreu só de cair colina abaixo, mas o Zé Feioso a curou.

Eles entraram na ruína e, por recomendação do monstro do pântano, tomaram uma rota mais furtiva, seguindo o Zé quando ele abriu um bueiro e entrou no “esgoto”. Nos túneis alagados eles enfrentaram drakolds (aleatoriamente obtidos do Bestiário do Old Dragon, uma vez que os monstros do Gamma Dragon ainda não estão prontos), que apagaram sua tocha e deixaram todos no escuro. Mas eles conseguiram vencer e seguiram seu caminho (a mulher piranha comeu uns  drakolds e guardou outros pra comer mais tarde).

Eles saíram num “shopping”, cheio de neons coloridos e lojas em ruínas, e encontraram algumas bugigangas aleatórias, como um capacete de ciclista e um nivelador de bolha. o Zé achou um smartphone, que ele intuitivamente sabia usar, e numa rolagem aleatória impressionante, o monstro do pântano encontrou outro smartphone! Agora os jogadores teriam um meio eficaz de se comunicar à distância e poderiam jogar joguinhos! Mas o monstro do pântano comeu seu celular, para o desespero do Zé Feioso. No shopping eles também encontraram um robozinho companheiro que soltava raios laser pelos olhos, mas o derrotaram rapidamente. Na cidade, o Zé Feioso ficou doente por causa da radiação, e decidiu esperar pela cura que os personagens trariam.

Saindo da cidade e chegando a montanha, facilmente escalada graças à força do monstro do pântano e à sua picareta, eles avistaram uma caverna na qual uma tribo com muitos seres diferentes era escravizada por homens-coelho para minerar cristais. Os personagens incitaram uma rebelião, o que ajudou muito a tribo, mas também colocaram fogo em sua caverna, o que não foi legal. Os homens-coelho fugiram, mas eles conseguiram capturar um deles, que disse estar apenas seguindo ordens de um rei cruel e muito, muito fofo.

Eles obrigaram o homem-coelho a levá-los ao seu covil, e quando chegaram lá foram atacados por dois homens-coelho armados com rifles laser. O monstro do pântano foi nocauteado, mas logo foi curado pela mulher-piranha, que venceu os dois inimigos. Enquanto isso, o rei – um gato com asas de morcego que cuspia fogo, apelidado de gato-dragão – vinha até eles. A mulher piranha usou um truque para atrair a atenção do rei, e então o desacordou e o prendeu.

Chegando no topo da montanha, eles encontraram a flor azul que o sábio havia pedido, e quando a retiraram da terra, viram que a raiz da flor era um bebê!

Descendo a montanha, eles foram recompensados com cristais pelo povo da tribo que libertaram. Chegando à sua tribo, eles deram o bebê-flor ao sábio, que ao mesmo tempo fez o remédio da Fofinha e do Zé Feioso e adotou o bebê.

Bem, foi uma aventura muito divertida e engraçada, com muita interpretação por parte dos jogadores, e tudo correu bem com o sistema. O sistema de comunicação funcionou muito bem e rendeu muitas risadas (quando um personagem não entendia o que um NPC de outra tribo falava, eu falava rapidamente e usando metáforas estranhas).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s